Banner Home

Como desenvolver uma coleção: o planejamento

Preparamos para você três posts que vão abordar o passo a passo para criar uma nova coleção. Vamos dar dicas de como fazer o planejamento, escolher a matéria-prima, definir o mix de produtos e ainda explicar pontos cruciais desta empreitada, como a elaboração da peça, a pilotagem, a escolha dos fornecedores e o planejamento da grade que será produzida. Acompanhe! 

Na indústria da moda, o termo “coleção” se refere a todos os lançamentos de uma estação. Afinal, as confecções precisam acompanhar as inovações da indústria têxtil e de aviamentos, analisar todas as tendências do período em questão, controlar a produção e estabelecer metas relacionadas aos prazos de entrega das peças que serão comercializadas.

Coleções se alinham às estações do ano 

A programação seguida por grande parte das confecções prevê lançamentos de coleções a cada três meses, aproveitando as quatro estações do ano. A exceção fica para o nordeste do país – onde, devido ao clima, todas as coleções são de verão. Para cada coleção, é necessário definir um estilo, uma linha, um segmento e o público-alvo.

O estilo é o que dá característica a uma peça de roupa, podendo ser, por exemplo, estilo clássico ou jovem. A linha é o tipo de roupa que se vai produzir, por exemplo, linha para grávidas ou moda praia. O segmento pode ser masculino, feminino ou infantil. Já o público-alvo é para quem se pretende vender a coleção. Um dos aspectos do público-alvo é a faixa-etária dos consumidores. Desta forma, se planeja a modelagem das peças nos tamanhos certos.

O planejamento deve incluir uma organização que facilite a modelagem e a montagem das peças. Esta organização prevê uma divisão por famílias, sendo que cada uma delas deve ter pelo menos quatro peças confeccionadas de acordo com a mesma programação visual. O objetivo destas famílias é destacar as características da coleção, de forma que o consumidor tenha várias opções de peças dentro do estilo que mais lhe agradou. 

Difinição do tipo de produto

Outro ponto que precisa ser pensado no planejamento de uma nova coleção é o tipo de produto. Eles variam entre sazonal – lançado em períodos festivos – e de oportunidade – lançados por apresentadores, cantores, atores e outros formadores de opinião. Vale lembrar que estes produtos devem ser lançados e vendidos rapidamente porque ficam em alta por pouco tempo. Há ainda o produto de tendência, que é inspirado em pesquisas sobre as tendências do momento.

O termo “tendência” merece uma atenção especial quando falamos em uma nova coleção. A moda sempre segue tendências que precisam ser conhecidas e detalhadamente avaliadas antes de sairmos produzindo roupas. É neste momento que se definem os tecidos que serão utilizados, as cores principais, os aviamentos e os modelos, além dos comprimentos, larguras, etc. Tudo isto deve ser pesquisado em publicações conceituadas de moda, sites especializados, revistas e catálogos.

Toda coleção deve seguir um padrão específico

Feito isso, é hora de escolher o tema da nova coleção, que vai permear todas as peças formando uma unidade, um padrão. Por isso que há coleções com os temas florais, animais e por aí vai. A cartela de cores também deve ser escolhida a dedo, pois ela exerce uma atração nos potenciais consumidores. Mais que um papel decorativo, a cor ou as cores de uma nova coleção são um importante estímulo visual que proporciona impacto e estabelece uma imagem positiva. Elas devem ser escolhidas de acordo o perfil e personalidade do público-alvo. 

A matéria-prima de uma nova coleção é tudo que se refere aos tecidos e aviamentos. Mais uma vez, a escolha também deve considerar o público-alvo, o segmento a que se destina, o estilo e a viabilidade de utilização. É importante, neste momento, avaliar se a matéria-prima escolhida pode ser encontrada com facilidade no mercado para não haver problemas no futuro que podem comprometer toda a coleção.

O tema é amplo e continua no próximo post. Acompanhe a segunda parte e saiba mais sobre como desenvolver uma coleção! 

 
Publicado em